segunda-feira, 22 de junho de 2009

O maior de todos os tempos


Mudanças drásticas na Fórmula 1, o melhor jogador que já vi atuar voltando ao futebol brasileiro - mesmo que tenha ficado uma mágoa pela escolha do clube, o retorno destruidor de Phelps às piscinas, Nadal vencendo o Aberto da Austrália e atravessando um momento sensacional, uma crise no SPFC depois dos 4 anos mais vitoriosos da história do clube...
Nenhum desses acontecimentos teve o poder para me motivar a voltar a escrever. Mas um fato ocorrido no dia de 7 de Junho de 2009, em Paris, e refletido nesses óculos escuros, marcou e mudou para sempre a história do esporte mundial: a afirmação e a consagração do maior tenista de todos os tempos - finalmente posso qualificá-lo dessa maneira. Depois de ver seu principal rival assumir a primeira posição do ranking mundial, depois de ter até mesmo a segunda posição ameaçada pela meteórica ascensão de Andy Murray (o novo terceiro homem, visto que Novak Djokovic, uma aposta minha, não demonstrou força para brigar com os grandes), ROGER FEDERER renasceu das cinzas para completar o Career Slam, e igualar os recordes de Pete Sampras, 14 títulos, e Ivan Lendl, com 19 finais de GS disputadas.
Não direi que foi perfeito, pois confesso aquela ponta de decepção pela ausência de Nadal do outro lado da rede na final. Mas, como venho aprendendo, na vida não se pode ter tudo, e resta a nós admiradores do maior de todos comemorarmos esse triunfo histórico. Foi feita justiça, premiando com todas essas glórias o que eu chamaria de eficiência aliada à mais pura arte: muita habilidade no saque, no forehand, no backhand, voleio então nem precisa comentar, tudo isso somado à uma força psicológica incrível. Exatamente no momento em que Rafael Nadal parecia imbatível, insuperável, o suíço tirou um coelho da cartola e escreveu seu nome na terra batida francesa. Só posso concluir que sou muito privilegiado por ter a chance de acompanhar a carreira de lendas como essa e aprender como são feitos os campeões.

2 comentários:

Flávia Ferreira disse...

Guilherme
Confesso que não entendo nada de tênis, mas ao ler o seu texto fiquei com vontade de ver esse jogo.
Beijos!
Flávia

fjmarcal5 disse...

Como ja comentei anteriormente, o negócio é a formula Indy ( A formula da emoção!!!!! ).Mais uma vez mostrando ao mundo que a formula 1 é uma panelinha. LASTIMAVEL um campeonato com uma meia dúzia.